Script data e hora digitais

Projeto Relix volta a Alagoas ampliando a discussão de sustentabilidade e reciclagem no Estado

O projeto Relix, que discute a sustentabilidade com ações de arte, educação e tecnologia está de volta a Alagoas, acumulando dados positivos e trazendo novidades à sua programação.  Patrocinado pelo Sesi-AL, depois de passar por todo estado em 2016, sua estreia em 2018 acontece dias 25 de setembro com um espetáculo inédito na cidade de Maceió: o Oceano - uma provocação artística que leva o espectador à incrível experiência de estar no fundo do mar.

E esse mar não deveria estar assim: cheio de lixo e poluição. O Relix abre a sua extensa programação da nova temporada trazendo, então, o questionamento principal que permeia todo o projeto: por que não cuidamos devidamente do meio ambiente? Oceano, que tem em cena  bonecos e atores, fica instalado em uma caixa cênica montada na praia de Pajuçara, no Campinho, com sessões às 09h, 10h, 11h, 14h, 15h e 16h. Cada sessão comporta 100 pessoas e alunos de escolas públicas do Estado serão convidados especiais.

Os números do primeiro Projeto Relix no Estado são bastante positivos. Desde a primeira passagem, o cenário da cadeia produtiva de reciclagem mudou bastante. O projeto impulsionou a assinatura do convênio da Prefeitura de Maceió com as cooperativas da capital para dar início à coleta seletiva, até então inexistente, em 11 áreas da cidade. Essa coleta é feita com os caminhões e com as ecobicicletas doadas pelo Relix. De 2016 para cá, o número de cooperativas legalizadas mais que duplicou. Antes 14, são agora 29 que enxergaram na legalização uma oportunidade para se candidatarem a receber a bicicleta do projeto e que perceberam, com as ações de valorização aos catadores, a importância da união da classe para seu fortalecimento e, consequentemente, da economia verde no Estado. Alagoas foi o primeiro Estado do Norte /Nordeste e o terceiro do Brasil a fechar oficialmente todos os lixões, atendendo à lei que foi um dos fatores que motivou a criação desse projeto.

Idealizado por Lina Rosa Vieira, o Relix Alagoas 2018 realizará: 30 apresentações Oceano, 110 apresentações do Espetaculix (peça original do projeto), além de ter 25 bicicletas doadas, app atualizado e a exposição Relixx - A Força Cromossômica Feminina por uma Vida Sustentável, reunindo como protagonistas nas fotos mulheres catadoras de AL, PE e PB.

"Voltar com números tão positivos que foram estimulados pelo Relix 2016 é animador e desafiador. Voltamos a Alagoas cheios de vontade que esses números cresçam e que o projeto deixe para o Estado a nossa semente mais importante: a consciência da reciclagem. Para manter a saúde do planeta temos que estar juntos nessa corrente de diminuição de consumo, da logística reversa e da coleta seletiva. O ato de reutilizar, por exemplo, é  muito generoso. A gente acaba por descobrir novas possibilidades para as coisas", diz Lina Rosa, idealizadora do projeto Relix, que assina também a criação e direção de projetos como Sesi Bonecos e o Fito - Festival Internacional de Teatro de Objetos.

“O Relix é, primeiro, uma forma de conscientizar as pessoas. Levamos com este projeto a educação ambiental para escolas e indústrias de Alagoas, falando não só de reciclar o lixo, mas de evitar o máximo possível a sua produção. Esta ação  é posicionada como um ponto de partida para repensarmos a maneira que lidamos com lixo, não só no âmbito coletivo, mas no comportamento do indivíduo e, para isso, é preciso que todos os envolvidos colaborem, formando uma cadeia de pessoas dispostas a promover uma mudança efetiva dentro da nossa sociedade”, Carlos Alberto Paes, Superintendente Executivo SESI/AL

ESPETACULIX - A chegada do projeto Relix nas escolas públicas do Estado é sempre impactante e marcada pela apresentação do Espetaculix, peça original do projeto que utiliza o teatro de formas animadas, seis atores e muita música para contar de forma lúdica e educativa uma história sobre pessoas comuns que se tornam  heróis da sustentabilidade, despertando o interesse das crianças e jovens pelo tema. As apresentações são acompanhadas da distribuição de 24 mil Quadrinholix, cartilha parte integrante do espetáculo - ilustrada pelo artista paraibano Shiko, e 50 conjuntos de lixeiras seletivas entregues às escolas.

Dirigido por Osvaldo Gabrieli,  o Espetaculix integra a participação dos atores, bicicletas coletoras, marionetes e sacos de lixo. No enredo, apresentam-se seis personagens principais: Raí Repensalix, Renato Recusalix, Rafael Reduzalix, Raul Reutilizalix, Rita Reciclalix, Ricardo Limpalix e Roberto Catalix. Marionetes também compõem a dramaturgia: Ronaldo Recolix, Rodolfo Bagunçalix, Rubens Sujalix, Rosinha Egoistalix e o Dragão do Lixo, o Gigantelix.
A escola também fica com uma herança pedagógica para ser aplicada em sala de aula: o Didaticalix: um guia de aplicação pedagógica do Relix., com atividades desenvolvida para público escolar amplo, formado principalmente por alunos do 5º ao 9º ano do fundamental.  O material pode ser acessado em: http://www.projetorelix.com.br/didaticalix

RELIX - A iniciativa multidisciplinar e orgânica, integrada com arte, música, teatro, fotografia, mobilidade, educação ambiental, redes sociais, tecnologia e direitos humanos, circula até  dezembro por todo o Estado de Alagoas para alertar sobre a problemática do lixo. O Relix se posiciona como um ponto de partida para repensarmos a maneira que lidamos com lixo, não só no âmbito coletivo, mas no comportamento do indivíduo. Cada pessoa, comunidade ou indústria pode e deve ser sensibilizada para se integrar como agente de reestruturação.

Numa referência ao lixo em latim (lix, significado de cinzas), Relix é Recusar, Repensar, Reciclar, Reduzir e Reutilizar o lixo. Ressignificar transformando o conceito de lixo por meio da arte, relíquias. Para provocar mudanças de comportamento que conduzam a resultados mais eficientes e confirmem o estabelecimento da nova e necessária tendência ao lixo zero (ainda distante, mas é preciso começar). A cada performance cultural, com público formado por estudantes ou trabalhadores da indústria, se constrói uma nova consciência ambiental, na nossa casa, mas também na rua, trabalho, cidade.
 

CICLOLIX - Em cada escola e indústria por onde passar, o Relix também vai expor a Ciclolix, a bicicleta coletora, com resíduo reciclado limpo, que levará o espectador a conhecer, refletir e criar uma nova e adequada consciência sobre a lei do Aterro Sanitário, sobre a importância dos catadores de lixo, sobre a reciclagem, sobre a logística reversa e, sobretudo, a urgente necessidade de redução do lixo gerado por cada indivíduo. Cada instituição envolvida vai firmar um acordo de colaboração com a cooperativa de catadores mais próxima geograficamente para que o lixo tenha destinação adequada.

Em Alagoas, novas 25 unidades das Ciclolix serão entregues às associações de catadores de todo o Estado. Além disso, os catadores recebem um kit que inclui bolsa,  chapéu com proteção para a nuca e camisa UV para proteger o trabalhador do sol, par de luvas, trava de segurança e bomba de calibragem.

A Ciclolix é uma bicicleta coletora projetada para oferecer maior segurança e otimizar o trabalho do catador de lixo. O protótipo especialmente criado para o projeto foi idealizado junto que com os catadores que foram ouvidos sobre as melhores funcionalidades para a bike adaptada com carroceria. O modelo único no país tem capacidade para carregar até meia tonelada, amassadores de latinhas e garrafas PET, sinalização de segurança, estepe, tudo para facilitar o dia a dia e garantir a segurança do trabalhador.  Além da humanização da jornada de trabalho dos catadores, a Ciclolix surge como uma contrapartida ao costume controverso e pouco recomendável da tração animal para coleta, ainda muito utilizada no perímetro urbano de Alagoas.

“A Ciclolix oferece mais dignidade a uma classe trabalhadora de fundamental importância para a sociedade e retira os animais das ruas. Além oferecer menor esforço físico e maior segurança para quem a conduz e para o trânsito, ela aumenta a auto-estima do catador e contribui para a valorização da profissão” define Lina Rosa .

DADOS DO LIXO - O mundo vive o alerta do consumo insustentável, o acúmulo do lixo produzido e a complexa questão do descarte adequado que cause menor dano. Reestruturar as iniciativas públicas e privadas para o equilíbrio do sistema torna-se uma questão global. No Brasil, a linha de chegada ao prazo final de fechamento de todos os lixões do Brasil e suas transformações em aterros sanitários, é uma das mais significativas ações para reconfigurar no país o debate sobre a questão do lixo como uma problemática social. A lei de Resíduos Sólidos determinava a extinção até agosto de 2014, mas uma emenda aprovada pelo Senado estabeleceu prorrogamento dos prazos entre 2018 e 2021, de acordo com município.

A palavra lixo tem origem no latim Lix (cinza), de uma época em que a maioria dos resíduos domésticos eram compostos por sobras da lenha, do carvão, das cinzas dos fogões e das lareiras. As cinzas, ou lixo, eram aproveitadas para fabricar sabão. Hoje, os componentes do lixo espalhados pelo mundo têm uma gama de cores tão vasta quanto o mal que causam. O cenário instalado é cinzento. Juntas, as cidades do planeta geram cerca de 1,3 bilhão de toneladas de lixo por ano. O Brasil produz 240 mil toneladas de resíduos sólidos urbanos diariamente. Entre os países emergentes, lidera a lista dos que mais acumulam sucata eletrônica no mundo.

O Brasil ainda engatinha na difícil missão de fechar seus quase 3 mil lixões. A maioria das cidades não cumpriu o acordo, dentro da lei e no Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Baseado em 3 pilares: Brasil sem Lixão, Recicla Brasil e Pró-catador. O primeiro, como o próprio nome diz, pretende eliminar todos os depósitos a céu aberto e investir em parcerias com os estados e municípios para a construção dos aterros sanitários. O segundo foca na educação ambiental, na coleta seletiva e na reciclagem. O último estrutura cooperativas para fazer do catador um elo forte entre o plano e as suas conquistas. Para se ter uma ideia, a cada mil brasileiros, um é catador.


SERVIÇO:
Projeto Relix - Alagoas

Espetáculo Oceano

Praia de Pajuçara

De 25 a 28 de setembro

Sessões diárias: 08h, 9h, 10h, 11h, 15h e 16h

Capacidade: 100 pessoas

Os estudantes serão transportados em ônibus do projeto.

Espetaculix

A partir de 04 de outubro, em indústrias e escolas.

PERÍODO DO RELIX: Até dezembro de 2018
Idealização de Lina Rosa e Sérgio Xavier
Patrocínio do Sesi Alagoas

 

CADA MINUTO


Ivaldo José Fragoso Ribeiro
Diretor Administrativo e Comercial
ivaldofragosomalandrinho@gmail.com

Antônio Guimarães
Jornalista Responsável

CNPJ: 03.135.085/0001-03
CCM - 900763591
(82) 99617.4108 / 99304.3673